Campanha “Setembro Amarelo” tem como objetivo alertar a população sobre o suicídio

Setembro Amarelo

Campanha “Setembro Amarelo” tem como objetivo alertar a população sobre o suicídio

De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a taxa de suicídio cresceu em 60% nos últimos 45 anos. Portanto, com o intuito de diminuir esses números e conscientizar a população sobre o tema, foi criada uma campanha mundial durante o mês de setembro, chamado Setembro Amarelo, e o dia 10 do mesmo mês foi considerado o Dia da Prevenção ao Suicídio. Instituições como o CVV (Centro de Valorização da Vida) promovem diversas ações para abordar o tema com a sociedade, e a Agência Netshare apoia totalmente essa causa. Confira mais detalhes, a seguir.

Estatísticas alarmantes

Segundo o Ministério da Saúde, o suicídio é a causa de morte de um brasileiro a cada 45 minutos. São 32 perdas por dia. É a sétima causa de morte de crianças entre 10 e 14 anos e a terceira entre jovens de 15 a 29 anos. Estima-se que nove entre dez casos podem ser evitados. Ou seja, é um problema de saúde pública.

Estudos comprovam que, na maior parte dos suicídios, o indivíduo estava padecendo de algum transtorno mental, como mostra no gráfico abaixo.

infográfico-setembro amarelo

Fonte: consta na foto.

 

Transtornos mentais e sintomas de alerta

Os principais transtornos mentais associados ao risco de suicídio são:

  • Depressão:

É um conjunto de sintomas como tristeza, perda de prazer em atividades que antes eram satisfatórias, alteração de sono e apetite, ansiedade, desesperança, entre outros.

  • Uso de substâncias:

O indivíduo passa obter prazer quase exclusivamente através de drogas. Também há o fenômeno de tolerância (aumento da dose para alcançar o mesmo efeito) e a impulsividade (cenário onde o suicídio é a única alternativa de cessar o sofrimento).

  • Esquizofrenia:

Atinge diversas áreas, como o afeto, a sensopercepção e a cognição, prejudicando-o nas esferas social, profissional e familiar.

A identificação dos transtornos mentais é de extrema importância, pois o seu diagnóstico auxilia no tratamento e na prevenção do comportamento suicida. A ajuda profissional também é essencial na melhora do indivíduo.

Como ajudar uma pessoa sob risco de suicídio?

É importante identificar os sinais e não tratar as lamentações da pessoa como “drama”. Segundo o Ministério da Saúde, o contato inicial é muito importante, mas deve ser feito de forma adequada, como:

  • – Ouvir atentamente e com cordialidade;

  • – Tratar as emoções e sentimentos da pessoa com respeito (empatia);

  • – Mostrar sua preocupação, seu cuidado e afeição;

  • – Focalizar nos sentimentos e dar atenção a pessoa.

Uma abordagem aberta e calma é fundamental para facilitar a comunicação e criar um laço de confiança.

É primordial falar sobre suicídio. Ignorar o assunto, não saber lidar com a situação e não perceber os sinais compactua com o aumento das estatísticas de morte.

Para saber mais sobre o tema, acesse o documento “Prevenção do Suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental”, do Ministério da Saúde. Clique aqui. (http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_editoracao.pdf)

Posts Relacionados